Início » Cada vez mais favorito: entenda como Donald Trump está dominando as previsões a apenas cinco meses das eleições nos EUA
Política

Cada vez mais favorito: entenda como Donald Trump está dominando as previsões a apenas cinco meses das eleições nos EUA

O índice de aprovação de Joe Biden como presidente está atualmente em 39%, colocando-o quase empatado como o presidente com pior avaliação nesta fase de seu mandato na história das pesquisas americanas. Em todos os seis estados que poderão ser decisivos em novembro, ele está atrás por uma margem que varia entre um e seis pontos percentuais. Em Wisconsin e Michigan, estados onde a disputa é mais acirrada, os candidatos democratas tiveram um desempenho final inferior em média seis pontos percentuais nas duas eleições mais recentes. Mesmo vencendo nesses estados, Biden ainda precisaria conquistar mais um estado decisivo para garantir os 270 votos eleitorais necessários para a reeleição.

Esses números indicam que a eleição dificilmente será decidida por uma pequena margem de votos. Embora Biden tenha cinco meses até a eleição para recuperar terreno, e as pesquisas possam subestimar seu verdadeiro apoio, existe também a possibilidade de que eventuais erros nas pesquisas beneficiem Donald Trump.

Em 2016, muitos especialistas consideraram improvável que um candidato tão controverso quanto Trump pudesse vencer a presidência. Esse viés foi reforçado por pesquisas que consistentemente indicavam Hillary Clinton na liderança. Agora, após um mandato que incluiu dois pedidos de impeachment e o ataque ao Capitólio, a perspectiva de que os eleitores possam reeleger um homem recentemente condenado por 34 crimes parece igualmente improvável.

No entanto, as pesquisas indicam que essa possibilidade é a mais provável. O modelo estatístico da Economist, baseado exclusivamente em pesquisas, resultados passados e dados econômicos, dá a Biden uma chance de reeleição de 33%. Isso significa que sua vitória seria apenas ligeiramente surpreendente, um pouco mais provável do que a probabilidade de 30% de chuva em Londres em um dia qualquer. Quatro anos atrás, esse mesmo modelo estimava as chances de Biden vencer em 83%.

Nosso modelo combina dois tipos de dados: pesquisas de opinião direta e “fundamentos” que consideram expectativas baseadas em padrões históricos. Baseado no trabalho de Alan Abramowitz da Universidade Emory, o modelo começa com uma “previsão baseada em fundamentos” nacional que tenta prever a parcela de votos do partido no poder (excluindo terceiros) com base na aprovação presidencial, incumbência e situação econômica. Também leva em conta a falta de uma “penalidade de mandato” para partidos que buscam mais de oito anos na Casa Branca, algo alcançado apenas uma vez desde 1950, e a diminuição da relação entre desempenho econômico e votos para incumbentes em meio à crescente polarização do eleitorado.

Como é sabido por quem acompanha a política americana desde 2000 ou 2016, vencer o voto popular não garante a vitória no colégio eleitoral. Nosso modelo inclui também previsões fundamentais para cada estado, considerando em grande parte o quão mais democratas ou republicanos foram seus resultados anteriores em comparação com o país como um todo. Por exemplo, em 2020, Trump venceu na Flórida por 3,3 pontos percentuais, enquanto perdeu nacionalmente por 4,5 pontos, colocando a Flórida 7,8 pontos à direita da média nacional.

Nosso modelo dá a Trump melhores chances de vitória do que outras previsões quantitativas públicas. Um modelo da Decision Desk e The Hill coloca as chances dele em 56%. A previsão divulgada em 11 de junho pelo FiveThirtyEight da ABC News espera que a posição de Biden nos estados indecisos melhore o suficiente até novembro para lhe dar uma vantagem, com uma probabilidade de vitória de 53%. Todas as três previsões concordam que a disputa está acirrada e que a vitória de qualquer um dos principais candidatos é facilmente plausível. Mas, pelas nossas contas, Trump é o favorito.

Com informações do Estadão

source